Quando a Alma pergunta...

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Crianças Índigo - Quem são elas?!

 
 
Crianças Índigo

As Crianças Índigo começaram a encarnar na Terra nos anos 80, são crianças espiritualmente diferentes, possuem um padrão psicológico diferente das demais, além de um padrão comportamental ainda não documentado pela ciência.
As pessoas que lidam diretamente com as Crianças Índigo precisam estudar e conhecer mais sobre elas, se faz necessária uma mudança de atitudes e na maneira de se relacionar com ela. Aqueles Pais que não conseguirem observar que a mudança em seu comportamento e forma de agir são primordiais para o desenvolvimento de seu filho, ficarão á margem deles, e não conseguirão evitar o desequilíbrio em suas personalidades.
Existem diversos tipos de Crianças Índigo, precisamos conhecer todos os tipos para que o convívio seja mais tranquilo.
As Crianças Índigo vêm ao mundo com um sentimento de autoridade, realeza, e agem desta maneira, como se fossem donos do próprio nariz, senhores e senhoras de si, majestades governando a própria vida. Possuem um desejo imenso de estar encarnado aqui, vivenciando a vida, e se surpreendem quando outras pessoas não compartilham deste sentimento, não suportam estar próximos de pessoas insatisfeitas e que reclamam de tudo e de todos.
Não se autovalorizam, pelo contrário, mostram suas fraquezas e suas potencialidades, são sinceras e verdadeiras com relação ao seu Eu. As Crianças Índigo, tem dificuldade em aceitar a autoridade sem explicação, precisam compreender o porque de tais ordens ou decisões dos pais. Não se submetem a qualquer comando sem antes questionar, não com o intuito de rebeldia, mas com o desejo de entendimento. A Criança Índigo jamais fará certas coisas, mesmo que para isso, precise passar por constrangimentos, castigos, etc. São altamente criativas e necessitam de ambientes que estimulem sua criatividade. Na escola e no trabalho quando crescerem serão criativas ao extremo, conseguindo soluções para muitas situações difíceis. Questionadoras por natureza parecerão sempre inconformadas com as situações da vida, os sistemas não as convencerão.
Não aceitarão pressões impostas por culpa, do tipo “Se você não fizer isso ficará de castigo”. São um pouco antissociais, no entanto, quando querem que suas vontades sejam atendidas as expressam com clareza sem nenhuma vergonha.
Existem quatro tipos de Crianças Índigo, e cada um tem sua proposta de vida:

Humanista: Esse Índigo trabalhará a humanidade, as massas. Serão futuros doutores, advogados, professores, vendedores, executivos e políticos. Geralmente são hiperativos, no entanto, são muito sociáveis. Farão amizade muito fácil, mas por terem tendência a serem hiperativos serão bem desastrados. Não sabem brincar com apenas um brinquedo, precisam espalhar todos, são distraídos e costumam esquecer ordens simples. Um exemplo de índigo Humanista – A mãe manda o filho arrumar os brinquedos, de repente ele se depara com uma revista colorida que o interessa muito, ele deixará o quarto pra lá, se esquecerá da ordem dada e ficará concentrado em sua revista.

Conceitual: Esse tipo de Índigo terá mais facilidade em lidar com projetos e coisas do que com pessoas. Serão grandes engenheiros, arquitetos, projetistas, astronautas, pilotos, militares. Não são nada desajeitados, pelo contrário, são excelentes esportistas. Gostam de controlar as pessoas, no caso dos meninos, gostam de controlar a mãe, as meninas tentam controlar os pais. Quando não conseguem exercer o controle que desejam fazem pirraças e são um tanto quanto autoritários. Esse tipo de Índigo deve ser observado pelos pais atentamente, pois tem inclinações as drogas, devem ser acompanhados de perto especialmente na puberdade. Os pais precisam estar atentos quando dizem, “Não entre no meu quarto, não mexa em minhas coisas”, devem se aproximar mais nestas situações.

Artista: São mais sensíveis, são menores em tamanho na maioria dos casos, muito ligados as artes. Serão os futuros professores e artistas. Qualquer que seja a área de atuação sempre envolverá arte, beleza e sensibilidade. Podem ser médicos na área de cirurgia ou pesquisa. Farão muitas atividades as quais abandonarão sem concluir. Na infância escolheram diversas áreas, já na puberdade se dedicarão a um instrumento musical ou área artística específica. 

Interdimensional: São crianças grandes para a idade, são independentes, são o tipo de criança que aos 2 anos já diz – “Eu sei, deixa que eu faço sozinho”. Serão os que trarão novas filosofias e espiritualidade para o mundo. Geralmente são valentões devido a altura e força, e não se enquadram em nenhum dos outros tipos de Índigo.

Como reconhecer um Índigo?

Essas crianças tem alta sensibilidade;
Muita energia;
Distrai-se facilmente ou tem baixo poder de concentração;
Requer emocionalmente estabilidade e segurança de adultos em volta dela;
Resiste à autoridade se não for democraticamente orientada;
Possui maneiras preferenciais no aprendizado, particularmente na leitura e matemática;
Podem se tornar frustrados facilmente porque têm grandes ideias, mas uma falta de recursos ou pessoas para assistirem pode comprometer o objetivo final;
Aprendem através do nível de explicação, resistindo à memorização mecânica ou serem simplesmente ouvintes;
Não conseguem ficar quietas ou sentadas, a menos que estejam envolvidas em alguma coisa do seu interesse.
São muito compassivas; têm muitos medos tais como a morte e a perda dos amados;
Se elas experimentarem muito cedo decepção ou falha podem desistir e desenvolver um bloqueio permanente.


Algumas dificuldades enfrentadas pelos Índigos

Elas precisam de mais atenção e sentem que a vida é muito preciosa para deixar escapar. Elas querem que as coisas aconteçam rápido e frequentemente forçam situações para realizarem o desejado. Os pais facilmente caem nessas armadilhas de fazer para a criança ao invés de desempenhar um papel na modelagem ou no compartilhamento. Uma vez que aconteça os pais serão apenas fantoches. Tem facilidade em manipular as pessoas.

Podem tornar-se emocionalmente irritados por pessoas que não entendam o fenômeno Índigo. Eles não podem compreender porque as pessoas operam em modalidades não baseadas no amor. Porém, elas são extremamente resistentes e hábeis para ajudar crianças carentes, embora esta ajuda seja freqUentemente rejeitada. Quando jovens, eles podem ter problemas de ajustamento com outras crianças.

As Crianças Índigo são freqUentemente tituladas como tendo DDA (Défict de Atenção) ou alguma forma de hiperatividade. Em muitos casos são tratados com química quando deveriam ser tratados de forma diferente.


Como devemos agir?

Estas crianças estão aqui para ajudar na transformação do mundo. Portanto, nós precisamos aprender com elas, principalmente escutando-as e observando-as. 


Trate os Índigos com respeito. Honre sua existência na família.

Ajude-os a criar suas próprias soluções disciplinadas.

Dê a eles escolha em tudo.

Nunca os diminua!

Sempre explique o por quê de você dar instruções. Escute essas explicações por você mesmo. Não parece estúpida a expressão "porque eu disse que deve ser assim"? Se você concorda com a estupidez de expressões assim, então reconsidere suas instruções e as mude. Eles o respeitarão por isso e esperarão. Mas se você der a eles ordens autoritárias e ditatoriais sem bondade e razões sólidas, essas crianças o derrotarão. Elas simplesmente não vão obedecer e o que é pior, elas vão dar uma lista de motivos que desclassificam suas intenções. Algumas vezes suas razões podem ser simples, como por exemplo, "porque isso vai me ajudar hoje pois estou realmente cansado". A honestidade vencerá como nunca antes. Eles vão pensar sobre isso e acatarão.

Faça deles um parceiro no relacionamento. Pense bastante sobre este aspecto.
Quando crianças, explique tudo que você estiver fazendo para eles. Eles podem não entender, no entanto, eles perceberão sua consciência e honra por eles. Esta é uma tremenda dica antes deles aprenderem a falar.

Se problemas sérios desenvolverem, teste-os antes de iniciar tratamento baseado em drogas.
Provenha segurança no seu suporte a eles. Evite crítica negativa. Sempre deixe-os saber que você os apoiará em todos os momentos. Eles crescerão de encontro com suas verbalizações e irão surpreendê-lo durante o processo. Então, celebrem juntos. Não os faça simplesmente realizar, mas permita que eles façam com encorajamento.

Não os diga quem eles são, ou o que eles vão ser no futuro. Eles sabem melhor que você. Deixe que eles decidam suas áreas de interesse. Não os force a entrar em algum ofício familiar ou em algum tipo de negócio porque isso é que a família vem desempenhando por gerações. Estas crianças absolutamente não serão seguidores. 


Conselhos para melhorar o relacionamento com o Índigo


Os Índigos são abertos e honestos, isso não é uma vulnerabilidade mas a maior força. Se você não for aberto e honesto com eles, mesmo assim eles serão com você, no entanto, eles não o respeitarão.

Marasmo pode trazer arrogância para os Índigos, portanto não os deixe cair no marasmo. Se eles agem de forma arrogante, isso significa que eles precisam de novos desafios e novos limites. Alimente seus cérebros mantendo-os ocupados da melhor forma possível.
Pais, professores e orientadores devem estar aptos para definir e manter limites claros, ainda que suficientemente flexíveis para mudar e ajustar esses limites quando necessário, baseados no crescimento emocional e mental, pois os Índigos crescem rápido. Ser firme mas justo é necessário para a segurança deles e para nossa.

A mensagem dada e transmitida pelos adultos deve ser mais prazerosa do que dolorosa, e mais baseada no amor do que no medo.

Mantenha a criança informada e envolvida.

Evite mal-entendidos simplesmente dando explicações.

Não perca a paciência com sua criança.

Evite dar ordem (verbos no imperativo). Ao invés de ordens verbais, utilize o toque para chamar a atenção deles. Eles são muito sensíveis ao tato (toque no ombro, aperto de mão, abraço, etc).

Mantenha sua palavra.

Negocie com cada situação.

Não esconda nada e não use linguagem abusiva.

Deixe sua emoção mostrar amor e não ódio.

Se uma repreensão é dada, crie situações de dar um tempo ou folga.

Discuta a situação geradora da repreensão após seu término.

Depois de tudo, sempre reúna com a criança e reveja se houve um aprendizado e crescimento após a repreensão.

Importante:

Lembre-se que punição não funcionará com essas crianças. Punição é diferente de repreensão. Punição é baseada na culpa enquanto que repreensão é baseada num crescimento ou melhoramento.
 
Este estudo foi retirado de várias fontes, no entanto, desenvolvi o texto visando facilitar o entendimento de todos. Lembrem-se: Muitos de nós somos adultos Índigos, talvez este estudo possa ajudá-lo a se compreender melhor...

Paz e Luz!

 Gisele Xavier



terça-feira, 13 de setembro de 2011

Você e Deus!




"Muitas pessoas, assoberbadas com as amarguras do caminho, não desejam mais pensar em Deus.
Asseguram que se Deus existisse não permitiria tanto sofrimento na face da terra.
Outras admitem a existência de Deus, mas estão certas de que ele não interfere na vida dos homens, deixando-os por conta do acaso.
Há, ainda, pessoas que se decepcionaram com os religiosos e por essa razão não querem mais saber de Deus.
São tantos os argumentos e tão distantes da realidade, que o Criador nem leva em conta nossas infantilidades e continua regendo o universo com justiça, amor e misericórdia.
No entanto, se você não acredita em Deus, isso não importa. O importante mesmo é que Deus possa acreditar em você.
Em verdade, você sempre está bem próximo de Deus, fazendo a sua parte para a manutenção da harmonia do universo, mesmo sem se dar conta disso.
E ainda que não queira admitir, existe um vínculo muito estreito entre você e Deus.
Deus é o Criador.
Você, porém, pode colaborar na obra divina, na condição de co-criador.
Deus é o Pai.
Você, todavia, pode tornar-se genitor triunfante, contribuindo para o progresso do espírito em prol de todos.
Deus é o infinito.
Você, sem embargo, pode, na sua finita posição, colaborar em prol da glória da vida nos corações que transitam na dor.
Deus é amor.
Você, entretanto, pode desdobrar os sentimentos e repartir as fortunas da bondade que carrega, entre os necessitados que o cercam.
Deus é a perfeição.
Você, querendo, pode crescer, mediante o serviço nobre, lapidando suas arestas, a fim de refletir-Lhe a grandeza no espelho da sua purificação.
Deus é a verdade.
Você, também, pode disseminar as lições da divina sabedoria, que refulgem no Evangelho de Jesus.
Deus é o poder.
Você, desejando, conseguirá edificar a felicidade em toda parte, quando queira.
Deus é a harmonia.
Você possui, igualmente, as melodias da excelsa beleza na pauta do coração, podendo, também, cantar baladas de esperança e paz em seu nome.
Deus é vida.
Você não pode conceder a vida a ninguém, é certo, no entanto, poderá salvar muitas vidas que perecem por falta de amparo e socorro.
Deus é a causa primeira.
Você o traz dentro do coração. Desate-o e permita que em você a sua presença gere felicidade em derredor.
Pense nisso!

Jesus disse: "vós sois deuses".

Conduzindo o Pai Criador ao cerne da sua vida, você pode fazer tudo em prol de você mesmo, modificando as paisagens ermas do mundo, a fim de que mais rapidamente se estabeleça
o reino dos céus entre os homens.
Pense nisso e faça a sua parte. Porque o Criador, sem dúvida, está fazendo a dele."

Texto retirado do Livro: Momentos de Decisão de Divaldo Franco.